Mosquitos - Biologia e Comportamento


CLASSIFICAÇÃO

Classe: Insecta
Ordem: Diptera
Família: Culicidae

Os verdadeiros mosquitos pertencem à família Culicidae. Sempre têm a tromba longa, maior do que a cabeça, e em geral pungitiva, capaz de perfurar a pele dos vertebrados para sugar o sangue. Três subfamílias (Toxorhynchitinae, Culicinae e Anophelinae) estão incluídas na família dos culicídeos. Nas duas últimas subfamílias estão incluídos os mosquitos que transmitem patógenos, isto é, responsáveis pela inoculação de vírus, helmintos e protozoários que causam doenças ao homem.

Para identificar um culicíneo de um anofelino deve-se observar a maneira como os adultos pousam no substrato. Os anofelinos pousam com o corpo e a probóscide (aparelho bucal) quase em ângulo reto com a superfície do substrato, enquanto os culicíneos pousam com o corpo quase paralelamente a este.

Dentre os anofelinos estão os mosquitos do gênero Anopheles, transmissores da malária, e nos culicíneos estão os do gênero Aedes transmissores do dengue e febre amarela e os do gênero Culex, responsáveis por doenças febris encefalites e, filariose.

Os adultos dos mosquitos têm os hábitos mais variáveis. Alimentam-se, em geral, de sangue, sendo a maioria hematófaga. Este hematofagismo obrigatório diz respeito apenas às fêmeas, visto que os machos se alimentam de suco de frutas e néctar das flores. A necessidade de sugar sangue é que resulta na transmissão de diversas moléstias.

Os mosquitos podem ser divididos em domésticos, semidomésticos e silvestres. Entre os domésticos, encontram-se os do gênero Aedes e Anopheles, que vivem nas residências urbanas, e suas larvas crescem nas águas paradas como vasos de flores, pneus velhos e calhas dos telhados. Os semidomésticos entram nas habitações para alimentar-se de sangue. Abrigam-se em ocos de pau, sob folhas, nas frestas das paredes, etc. Eles só atacam o homem quando este invade as matas. Algumas espécies do gênero Anopheles transmitem a febre amarela silvestre.

Os ovos são depositados na água e apresentam aspecto alongado, porém, na ausência desta, podem entrar em diapausa e sobreviver por períodos consideráveis. As larvas eclodem 30 a 40 horas após a postura dos ovos, em condições adequadas.

As larvas dos mosquitos são sempre encontradas na água e não possuem pernas nem asas. Em todas as espécies de mosquitos as larvas passam por 4 estágios (ínstares). Apesar de serem aquáticas, as larvas respiram sempre o oxigênio do ar, necessitando chegar à superfície da água. Algumas larvas apresentam uma estrutura denominada sifão respiratório, enquanto outras não. As que apresentam sifão situam-se quase que perpendiculares à superfície da água, enquanto aquelas desprovidas deste órgão dispõe-se horizontalmente à superfície. Esta característica permite uma rápida identificação do mosquito. As larvas dos anofelíneos não apresentam sifão respiratório enquanto as larvas dos culicíneos apresentam.

O aparelho bucal das larvas é do tipo mastigador-raspador e alimentam-se de microplâncton, que é constituído de bactérias, algas, rotíferos, esporos de fungos, entre outros materiais orgânicos.

As pupas, fase intermediária entre as larvas e o adulto, têm aspecto de vírgula. Nesta fase o mosquito não se alimenta e fica a maior parte do tempo parado em contato com a superfície da água. Quando a água é perturbada as pupas se mexem.